Sobre

APRESENTAÇÃO

Roraima é um Estado da Amazônia Setentrional brasileira. Possui uma área de 224.298,98 km2 com diversidade geofísica e cultural na configuração de seu território. A distribuição e configuração da ocupação de seu espaço esta configurado pelo seguinte mosaico: 46,2% constituem-se territórios indígenas, 19,5% em Unidade de Conservação sob jurisdição do IBAMA, 4,9% constituem-se áreas de assentamentos sob jurisdição do INCRA, 1,2% constituem região de fronteira sob jurisdição do Ministério da Defesa, 28,3% pertencentes ao Estado de Roraima.

Muitos dos municípios originaram do Projetos de Assentamentos (PA) do INCRA abertos no final da década de 70 com a abertura da BR 174 e da 210. Especialmente na região sul do Estado onde se localiza o maior assentamento da America Latina (a extensão territorial deste assentamento cobre 5 municípios do Estado – posteriormente estes assentamentos do INCRA expandiram-se para outros municípios), composto basicamente por migrantes do Nordeste, Sudeste e Sul do pais, predominantemente.

A mecanização da agricultura brasileira, a crise econômica de meados da década de 80 e a criação de novas fronteiras agrícolas – a marcha para o oeste – a desigual distribuição de terras em territórios já ocupados, o latifúndio brasileiro e a monocultura mecanizada juntamente com a abertura de novos assentamentos e estradas, permitindo o acesso e a entrada na ocupação da floresta, acompanhada de uma constante e permanente propaganda do Estado para atrair a população pobre do Nordeste e de outras regiões, especialmente para aliviar a pressão social naqueles espaços, cria-se um fluxo migratório e ocupacional do território de Roraima.

Embora o maior fluxo migratório tenha se dado na década de 80, ele ainda se mantém. No entanto, este território é ocupado por diferentes povos há milhares de anos, desde os Macuxis na condição de mais antigos, ate os “Yanomami”, os mais recentes. A ocupação portuguesa, por parte da Coroa, intensificou-se no século XVIII, embora só tenha se tornado sistemática depois que o Império Português põe fim a Revolta de Ajuricaba (1723-1725).

O delineamento do Curso de Mestrado em Educação leva em conta os requisitos, as necessidades e os interesses advindos da posição geográfica e da situação sócio-política atual da Região Amazônica. É neste sentido que o mestrado em educação busca aperfeiçoar formadores de professores e pesquisadores da área que, por meio das pesquisas e atuação na formação inicial e continuada e na educação informal, poderão diagnosticar a realidade da Região, contribuindo para a construção de conhecimentos na área e preparando profissionais qualificados para nela melhor intervir com vistas ao desenvolvimento regional e justiça social.

Espera-se que os discentes, uma vez titulados mestres, organizem-se, contribuindo com a produção científica e com a formação de professores pesquisadores para a Educação nos vários níveis de ensino.

 

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Educação e Interculturalidade

  1. Formação, Trabalho Docente e Currículo
  2. Educação do Campo, Educação Indígena e Interculturalidade

 

 

Caracterização da área de concentração

Centra-se na relação educação e cultura na interface com as questões do currículo, da formação docente, da educação do campo e da educação escolar indígena, tendo como pressuposto que a educação constitui-se como fenômeno social complexo, justamente pela razão de ser ela a arte da hominização que se dá por meio dos processos socialmente construídos em determinados e diferentes contextos históricos.

A proposta concentra-se nas questões da educação em diferentes contextos nos quais a interculturalidade constitui-se expressão teórica epistemológica que articula a interpretação de diferentes contextos, tempos, espaços e identidades.

A proposta centra-se na compreensão de que a educação constitui-se campo de saber social e cientifico especifico, trabalho técnico, competência ética e estética, espaço de ação política e ação cultural. Portanto, as pesquisas que decorrem deste programa ocupam-se justamente da articulação destas dimensões do processo educativo demonstrado pelas múltiplas expressões da formação humana.

 

 

CARACTERIZACÃO DAS LINHAS DE PESQUISA

 

  1. Formação, Trabalho Docente e Currículo

 

Estuda os processos da formação docente em sua interface com as múltiplas expressões no currículo escolar. Pesquisa a formação docente e o currículo, seus processos pedagógicos e sociais especialmente considerando diferentes contextos e populações da floresta, assentados, ribeirinhos e migrantes. Ocupa-se da educação escolar nas múltiplas e complexas relações que se estabelecem entre a formação docente e o currículo. Propõem-se estudar e compreender os processos, as políticas, os projetos, o trabalho docente e o currículo a partir e no contexto da realidade regional em sua interface com o conhecimento universal.

 

  1. Educação do Campo, Educação Indígena e Interculturalidade

 

Estuda os processos próprios da Educação do campo e indígena na interseção com as questões da interculturalidade. Pesquisa as diferentes culturas educativas e seus processos históricos. Investiga a educação do campo e a educação escolar indígena em seus aspectos históricos, linguisticos e culturais, especialmente preocupada com os povos excluídos da hegemonia dominante, seus imaginários, sua ética e sua estética. Analisa as formas de expressão cultural em diferentes contextos históricos, suas expressões no currículo escolar do campo e indígena na constituição histórica das instituições educativas da Amazônia Setentrional.

 

 

OBJETIVOS

 

Pesquisar e compreender os processos, as políticas, os projetos da formação docente em sua interface com as múltiplas expressões no currículo escolar;

Estudar a formação docente e o currículo, seus processos pedagógicos e sociais especialmente considerando diferentes contextos e populações da floresta, assentados, ribeirinhos e migrantes;

Pesquisar os processos próprios da educação do campo e indígena na interseção com as questões da interculturalidade: as culturas educativas, os processos históricos, linguisticos, políticos, seus imaginários, sua ética e sua estética; Analisar as formas de expressão cultural em diferentes contextos históricos, suas configurações no currículo escolar do campo e indígena na constituição histórica das instituições educativas da Amazônia Setentrional.

 

 

Perfil do Egresso

O mestre, egresso deste mestrado em Educação, é um pesquisador-educador, um profissional que, por meio do conhecimento em educação, desenvolve e implementa ações de transformação do contexto no qual se insere e responde aos desafios da realidade da Educação, especialmente ocupada com a formação docente em contextos de interculturalidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>